A Isdell:Flowers Iniciativa Transfronteiriça une governos, grupos religiosos e comunidades em apoio à campanha “Zero Malária Começa Comigo”

Livingstone, Zâmbia – Nos dias 28 de fevereiro e 1 de março de 2019, parceiros contra a malária reuniram-se na Mesa Redonda Anual organizada pela Isdell:Flowers Iniciativa Transfronteiriça.

A Isdell:Flowers Iniciativa Transfronteiriça, da Flowers Foundation, estabeleceu uma parceria com governos nacionais, a Igreja Anglicana, ONGs e parceiros na luta contra a malária nas fronteiras entre Angola, Namíbia, Zâmbia e Zimbabué. Como membros da “Eliminação 8” da África Austral, estes países estão empenhados em eliminar a malária dessa região até 2030, através da coordenação de intervenções entre os membros e da manutenção do apoio de líderes políticos, do sector privado e das comunidades.

Centrando-se no engajamento comunitário, a Mesa Redonda apresentou o tema do Dia Mundial da Malária de 2019: “Zero Malária Começa Comigo”, que reconhece que cada pessoa – desde bispos até organizadores comunitários, investigadores e mães – tem um papel fundamental a exercer na eliminação da malária.

O Ministro da Saúde da Zâmbia, o Honorável Dr. Chitalu Chilufya, abriu as formalidades da Mesa Redonda e enfatizou a importância de envolver as comunidades no processo de eliminação da doença. “Não obteremos sucesso na cobertura universal de saúde sem eliminar a malária”, disse ele, “e não obteremos sucesso em eliminar a malária se não nos envolvermos efetivamente com a comunidade”.

A Zâmbia tem um histórico de inovação e compromisso na luta contra a malária, pois foi um dos primeiros países a demonstrar que a disseminação de ferramentas preventivas era viável e poderia criar um enorme impacto contra a doença. Nos últimos anos, a Zâmbia mobilizou voluntários comunitários para levar exames e tratamentos para as populações rurais, adotando a ambiciosa meta de eliminação nacional da malária até 2021.

O Dr. Richard Nchabi Kamwi, Embaixador da “Eliminação 8”, Membro do Conselho da Parceria RBM pelo Fim da Malária e antigo Ministro da Saúde da Namíbia, destacou o papel das organizações religiosas. “A campanha ‘Zero Malária Começa Comigo’ não será fácil”, disse ele, “mas juntos com a igreja e com as comunidades, vamos descobrir o que é preciso ser feito. Já estamos a ver resultados”.

Na mesma semana, a Zâmbia lançou o Conselho pela Eliminação da Malária, um grupo de ministros e líderes da sociedade civil e do sector privado, que trabalhará para criar uma aliança multissectorial de apoio aos esforços contra a malária.